Nos próximos meses, a Audi e a Ericsson vão dedicar-se à exploração e desenvolvimento da tecnologia 5G aplicada na indústria automóvel, graças a um acordo celebrado entre ambas cujo resultado final expectável é a produção de carros sem fios.

Segundo o responsável pelos serviços de informação da empresa de automóvel alemã, Frank Loyd, a primeira fase deste projeto passa por testar um aplicativo de latência-crítica através de robôs de produção com ligação sem fios e equipados com um aplicativo de colagem que é uma técnica comum na construção de carroçarias. Com efeito, os profissionais de ambas as empresas vão fazer ensaios práticos no centro técnico da Audi, em Gaimersheim, Alemanha, recriando aí um ambiente de produção que espelha as fábricas da Audi em Ingolstadt e noutras localidades, através da implementação de uma infra-estrutura que recorre ao 5G. Quer isto dizer que a intenção da Audi é a introduzir a rede de comunicação 5G no próprio processo de produção dos seus veículos.

Por seu turno, a sueca da tecnologia já executa programas industriais 5G em todo o mundo para ajudar os fabricantes a aumentar a produtividade e a criar novas oportunidades de negócio. Ambas acreditam que uma fábrica com a incorporação do 5G na produção de automóveis terá um impacto substancial nessa produção e falam de “uma poderosa arquitectura de rede que responde em tempo real às necessidades da indústria”. E se esta experiência na smart factory corresponder às expectativas, ambas já manifestaram a vontade de vir a aplicar a tecnologia 5G noutras fábricas do grupo Audi.

A rede 5G será a próxima geração de comunicações móveis que vai melhorar o desempenho actual das redes móveis. Os consumidores vão poder usufruir de uma banda larga melhor e mais rápida, ao passo que as empresas poderão usufruir de novas aplicações para as mais diversas funções, desde fábricas inteligentes até veículos conectados, tudo isto graças a taxas de transferência de dados mais rápidas, com maior capacidade de rede e mais segurança. Dito de outro modo, a Indústria 4.0 vai recorrer a processos de produção cada vez mais flexíveis e complexos, que beneficiam tanto quanto mais rápidos forem os tempos de resposta entre os diferentes equipamentos no sistema de produção.

Cada vez mais as as empresas querem apostar na rede 5G, estando convencidas que esta tem potencial como tecnologia de comunicação do futuro e perfeitamente capaz de satisfazer as elevadas exigências da produção não só automóvel, como também da indústria em geral.